Consenho Nacional do Café
14.12 - RÁDIO CNC - Presidente do CNC participa do lançamento do Selo Agro Mais Integridade 14.12 - RÁDIO CNC - Presidente do CNC critica PL nº 3.562/2016 da ALMG 08.12 - CNC - Balanço Semanal de 04 a 08/12/2017 05.12 - Jornalistas são premiados por reportagens sobre café 1º.12 - Conheça os vencedores do Prêmio Café Brasil de Jornalismo – 2017 1º.12 - CNC - Balanço Semanal de 27/11 a 1º/12/2017 24.11 - CNC - Balanço Semanal de 20 a 24/11/2017 21.11 - Expocaccer lança 16ª edição da Campanha Natal Feliz 17.11 - CNC - Balanço Semanal de 13 a 17/11/2017 14.11 - Federação premia melhores cafés do V Prêmio Região do Cerrado Mineiro 10.11 - CNC - Balanço Semanal de 06 a 10/11/2017 03.11 - CNC - Balanço Semanal de 30/10 a 03/11/2017 27.10 - COMUNICADO da Assessoria de Comunicação do CNC 27.10 - CNC - Balanço Semanal de 23 a 27/10/2017 25.10 - Cadeia produtiva lança material sobre manejo integrado da broca do café 25.10 - Café: Cooxupé informa que potencial da safra 2018 está comprometido 25.10 - Expocaccer e Dulcerrado participam da Semana Internacional do Café 25.10 - Cocatrel lança edição limitada de café especial na SIC 2017 23.10 - Produtores de Patrocínio (MG) e Domingos Martins (ES) vencem o Cup of Excellence - Brazil 2017 23.10 - Mantiqueira, Matas e Sul de MG: regiões vencem o 25º Concurso Qualidade Minasul

Café do Brasil - Características agronômicas

Caracteristicas Agronômicas

Aspectos botânicos

O café pertence à família botânica Rubiaceae. Desde a primeira descrição do café, no século 18, os botânicos não têm conseguido fazer uma classificação precisa. Há provavelmente 25 espécies principais, indígenas, da África e de algumas ilhas do Oceano Índico. As dificuldades na classificação e na designação de uma planta como membro verdadeiro do gênero Coffea ocorre por causa da grande variação nas plantas e nas sementes. As duas mais importantes espécies econômicas de café são o arábica (Coffea arábica), que representa mais de 70% da produção, e o robusta (Coffea canephora). Outras duas espécies produzidas em pequena escala são a Coffea liberica e a Coffea dewevrei.

Café Arábica

O café arábica foi descrito a primeira fez por Linnaeus, em 1753. Crescem em altitudes de 900 a dois mil metros. Têm teor de cafeína relativamente baixo (entre 0,9% e 1,5%). Os frutos são redondos, suaves, levemente amargos, de cor achocolatada, com crosta lisa e perfume intenso. Há duas variedades botânicas distintas: arábica (typica) e bourbon. Historicamente, o typica foi cultivado na América Latina e na Ásia, visto que o bourbon chegou à América do Sul e na África mais tarde, através da colônia francesa do bourbon (Reunion). Destas variedades saíram muitas cultivares, como a caturra (Brasil e Colômbia), a Mundo Novo (cruzamento entre a typica e a bourbon, encontrada no Brasil), a Tico (América Central) e a anão San Ramon e montanha azul  (na Jamaica e Quênia).  Outras cultivares desenvolvidas para ter o máximo de retorno econômico e para condições regionais específicas são a Kent (Índia) e a Catuai (um híbrido da Novo Mundo e da Caturra). A planta média é um arbusto grande com as folhas ovais verde-escuros. As frutas são ovais e ficam maduras em 7 a 9 meses; contêm geralmente duas sementes lisas (os feijões de café). O café arábica é encontrado na América Latina, na África Central e do Leste, na Índia e em alguma extensão em Indonésia.

Café Robusta

Mais precoce, mais resistentes e mais produtiva que a arábica. É cultivada em terrenos baixos, com plantas de maior envergadura. Seus grãos são menos perfumados. A quantidade de cafeína é maior (entre 2% e 4,5%). O termo “robusta” é o nome de uma variedade cuja árvore tem frutas arredondadas e que demoram até 11 meses para amadurecer. As sementes são ovais na forma e menores do que aquelas da arábica. O café robusta é encontra na África Ocidental e Central, no Sudeste Asiático e a algumas extensões no Brasil, onde é conhecido como Conillon. A identificação das cultivares é confusa, mas as duas mais reconhecidas são robusta e Nganda.

Híbridos do arábica e robusta

Cafés produzidos para melhorar as características de crescimento, floração, rendimento, tamanho do feijão e forma, índice de cafeína, resistência a doenças e seca. Cruzamento entre o arábica e o robusta confere resistência e vigor a doenças. O híbrido Timor se assemelha ao arábica. Já o Catimor é o cruzamento do caturra e do híbrido timor, sendo resistente à oxidação da folha do café. O híbrido Ruiru 11 foi desenvolvido no Quênia, é resistente à doença da baga do café e à oxidação da folha. Por sua vez, o híbrido Icatu é resultado do cruzamento do arábica e robusta híbridos com as cultivares Mundo Novo e Caturra.

Fonte: http://guiamiguelin.com/index.html

    

NY - ICE US (US$ cents / lb-peso)
Contrato 13/12/17 14/12/17 Dif.
Dez/17 118,95 119,15 0,20
Mar/18 120,10 120,30 0,20
Mai/18 122,25 122,45 0,20
ICE Europe (US$ por tonelada)
Contrato 13/12/17 14/12/17 Dif.
Jan/18 1712 1743 31,00
Mar/18 1713 1740 27,00
Mai/18 1723 1747 24,00
SP - BM&FBovespa (US$/saca)
Contrato 13/12/17 14/12/17 Dif.
Dez/17 147,55 147,85 0,30
Mar/18 153,10 151,35 - 1,75
Set/18 150,65 151,00 0,35
CEPEA ESALQ/USP (R$ a vista)
Variedade 13/12/17 14/12/17 Dif.
Arábica 6 443,50 445,64 2,14
Robusta 6 358,00 359,05 1,05
Dólar Comercial
US$ 1 13/12/17 14/12/17 Dif.
R$ 3,3159 3,3365 0,02
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101
Brasília (DF) - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: presidente@cncafe.com.br
CNC - Representação São Paulo (SP)
R. Treze de Maio, nº1558 - 6º andar
Bela vista, São Paulo (SP) - CEP: 01327-002
Fone: (11) 3284-6800 / Fax: (11) 3287-4600
E-mail: presidente@cncafe.com.br

Desenvolvido por Solute