Consenho Nacional do Café
20.04 - CNC - Balanço Semanal de 16 a 20/04/2018 18.04 - Negócios, palestras e seletiva de barismo. Veja destaques do 1º dia do Simcafé 18.04 - Encontro debate produção de café diante de mudança climática no Cerrado Mineiro 17.04 - Café especial: ações internacionais em março devem gerar US$ 13,4 milhões 17.04 - Cooxupé analisa cafeicultura com otimismo para 2018 10.04 - 10º Simcafé promete muita informação e novidades a partir desta terça 17.04 - Cooperado da Expocaccer vence 27º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável do Café 13.04 - COMUNICADO: Fórum Mundial de Produtores de Café se tornará uma Organização 13.04 - Semana: CNC defende sustentabilidade econômica nas reuniões da OIC 12.04 - Ações no mercado, como divulgação em novela, mostram arrojo da Expocaccer 11.04 - Cooperativismo sustenta o avanço da produção brasileira de café 11.04 - Expocaccer promove programa com foco na qualificação dos cooperados 11.04 - Cocapec: 10º Simcafé acontece de 17 a 19 de abril 10.04 - Em Franca (SP), simpósio reúne produtores da Alta Mogiana 10.04 - Alta Mogiana sedia pela 1ª vez pré-seletivas para Campeonatos Brasileiros de Barismo 10.04 - Café especial fez surgir novos profissionais da área 09.04 - CAFÉ/CNC: Governo liberou recursos para contribuição anual à OIC 09.04 - Minasul elege Conselho Fiscal 2018-2019 09.04 - Cocatrel orienta cooperados a monitorarem cafezais para o início da colheita 06.04 - Semana: trabalho do CNC garante pagamento do Brasil à OIC
Notícias - Pautas CNC

Semana: CNC defende sustentabilidade econômica nas reuniões da OIC
P1 / Ascom CNC
13/04/2018

BALANÇO SEMANAL — 09 a 13/04/2018

Nas reuniões da OIC, CNC defende que iniciativas para expansão de oferta devem estar conectadas a programas de aumento do consumo, gerando equilíbrio e sustentabilidade econômica

BRASIL NA OIC — Nesta semana, o presidente executivo e a assessora técnica do Conselho Nacional do Café (CNC), deputado Silas Brasileiro e Silvia Pizzol, integraram a delegação brasileira que participou da 121ª Sessão do Conselho Internacional e demais reuniões da Organização Internacional do Café (OIC), que terminam hoje, na Cidade do México (MEX). A comitiva foi chefiada pelo Embaixador Mauricio Carvalho Lyrio, assessorada pelo Conselheiro Rodrigo Estrela, do Departamento de Produtos de Base do Itamaraty, e também contou com a participação de representantes do Governo Federal, da cadeia produtiva e da Plataforma Global do Café.

Com exportação média de 34.844.059 sacas de 60 kg e uma participação de 44,5% nas exportações totais dos países membros, o Brasil teve direito a 403 votos, representando 20,15% do total do Conselho Internacional do Café. É válido destacar que a concretização desse cenário foi possível devido ao intenso trabalho do CNC junto ao Governo Federal no último mês, que garantiu o pagamento tempestivo da anuidade do País junto à OIC, permitindo que a delegação brasileira pudesse exercer seu direito a voz e voto.

MANIFESTAÇÃO DO PRESIDENTE DO CNC — Durante a reunião do Conselho Internacional do Café, instância máxima da OIC que reúne os governos dos países produtores e consumidores, o presidente do CNC, deputado Silas Brasileiro, discursou sobre a preocupação do segmento produtor com o desequilíbrio entre oferta e demanda mundiais, já que persiste a pressão por parte dos importadores para que a produção global de café se expanda. Por exemplo, o Plano de Adaptação do Café, apresentado pelo presidente da Illycaffè, Andrea Illy, que pretende estimular o crescimento de 100% na produtividade internacional dos cafezais até 2050, é contrastante com o cenário atual de preços aviltados.

Reiteramos que quaisquer iniciativas que visem à expansão da oferta de café devem estar obrigatoriamente conectadas a programas de aumento do consumo, o qual deve ser estimulado de forma permanente nos países produtores. Acreditamos que essa é a atitude mais sensata e pragmática para fomentar a sustentabilidade econômica da cafeicultura mundial, pois permitirá o avanço em direção ao equilíbrio entre a oferta e a demanda.

Mesmo reconhecendo e cumprimentando o diretor executivo da OIC, José Dauster Sette, pela excelente atuação no sentido de implementar o Plano Quinquenal da Organização, ressaltamos a importância do Conselho Internacional do Café ir além do discurso diplomático e tomar ações efetivas e práticas, que venham a gerar benefícios que sejam sentidos pelos cafeicultores e suas cooperativas, que são a razão da existência da cadeia produtiva cafeeira global.

AVALIAÇÃO DAS REUNIÕES — Além da retirada dos Estados Unidos do Acordo Internacional do Café (AIC 2007), também foram amplamente discutidos o aprimoramento das estatísticas internacionais e a promoção da sustentabilidade do setor cafeeiro mundial.

i) Retirada dos Estados Unidos do AIC 2007: o Conselho Internacional do Café aprovou o projeto de resolução WP Council 289/18, que convida os Estados Unidos da América a reconsiderar sua decisão de se retirar do AIC 2007. Apesar da decisão tomada pela administração do presidente Donald Trump, o relacionamento da OIC com o setor privado norte-americano, representado pela National Coffee Association e pela Specialty Coffee Association, mantém-se fortalecido. Diante desse fato e por solicitação da delegação brasileira, foi incluída na resolução uma solicitação para que os governos dos países membros envolvam seus respectivos setores privados de café em negociações para tentar reverter a decisão dos Estados Unidos.

ii) Estatísticas: a OIC está realizando um esforço, que vem ao encontro das demandas apresentadas pelo CNC durante o processo de revisão estratégica da Organização, em 2015-16, para ampliar a credibilidade de seus dados e a abrangência das informações coletadas. O Seminário que estamos organizando no Brasil, no próximo dia 11 de maio, para aprimoramento das estatísticas do café, é uma importante etapa deste processo.

No início de 2018, a OIC contratou uma empresa para aprimorar tanto a infraestrutura quanto a qualidade de sua base de dados, de forma a permitir a expansão desse portfólio de estatísticas, para que passe a incluir também dados de custos de produção. A implementação de um levantamento global dos gastos para produzir café é uma demanda do CNC, que entendemos como fundamental para avaliar com clareza a competitividade da cafeicultura brasileira em relação à dos outros países.

iii) Sustentabilidade: merece atenção a aproximação dos trabalhos da OIC com os da Plataforma Global do Café (GCP) e do Desafio Café Sustentável, com o objetivo de implantar indicadores de sustentabilidade para medir e comparar o desempenho dos países e também do setor cafeeiro em relação a diferentes setores de commodities agrícolas, a começar pelo algodão.

Ao mesmo tempo em que temos plena certeza de que o Brasil possui o maior nível de sustentabilidade mundial na produção de café, destacamos a importância de continuar o relevante trabalho que o CNC tem feito para influenciar a construção dos padrões e indicadores de sustentabilidade no âmbito da GCP, para que esses reflitam também a situação da dimensão econômica da sustentabilidade. Certamente o trabalho realizado até agora pelo CNC será internalizado nos novos projetos que serão desenvolvidos no âmbito da OIC.

Destacamos a relevância e a profundidade técnica dos assuntos discutidos na semana de reuniões da Organização Internacional, os quais possuem ampla interface com questões comerciais e nos permitem conhecer como a indústria está incentivando a produção de café em diferentes regiões do planeta. Isso justifica as contínuas e regulares participações do CNC junto à OIC, bem como todo o trabalho de relações governamentais que realizamos para garantir direito a voz e voto à delegação brasileira.

Entendemos, por fim, que a participação efetiva do setor produtivo de café junto à OIC é fundamental para a construção de nossa inteligência estratégica e para garantir decisões que sejam favoráveis e não venham a prejudicar nossa produção e nosso comércio de café.

DELEGAÇÃO BRASILEIRA — Além do Embaixador Mauricio Carvalho Lyrio, do Conselheiro do Departamento de Produtos de Base do Itamaraty, Rodrigo Estrela, e do presidente executivo e da assessora técnica do CNC, deputado Silas Brasileiro e Silvia Pizzol, a delegação brasileira também contou com a participação de:

Representantes do Governo: Secretário Mateus Drumond Caiado e Bivanilda de Almeida Tápias, respectivamente chefe do Setor Econômico e adida agrícola da Embaixada do Brasil no México, e Silvio Farnese, diretor do Departamento de Café, Cana de Açúcar e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;

Representantes da Produção: Breno Pereira de Mesquita, presidente da Comissão Nacional do Café da CNA; Vanusia Nogueira, diretora da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA); e Guilherme Vincentini, membro da Comissão do Café da CNA.

Representantes da Exportação: Nelson Carvalhaes e Marcos Matos, presidente do Conselho Deliberativo e diretor geral do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (CECAFÉ), respectivamente; e

Representante da Plataforma Global do Café: Carlos Henrique Jorge Brando, diretor da P&A Marketing Internacional.

MERCADO — Diante da baixa volatilidade e da ausência de novidades nos fundamentos, o mercado internacional do café andou de lado nesta semana, encontrando suporte com compras especulativas, porém resistência com as rolagens para fora do primeiro vencimento.

Na Bolsa de Nova York, o contrato maio/2018 subiu 45 pontos no acumulado semanal, negociado a US$ 1,1790 por libra-peso no pregão de ontem. Na ICE Futures Europe, o vencimento maio do café robusta encerrou a sessão de quinta-feira a US$ 1.711 por tonelada, com perdas de US$ 19 ante a semana anterior.

Outro fator de trava para o avanço dos futuros do café foi o fortalecimento do dólar, que avançou com a sinalização do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que um ataque à Síria não é necessariamente iminente e com a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que apresentou que os dirigentes estão preocupados com o nível de valorização da moeda comum.

No Brasil, a divisa norte-americana registrou incremento de 1,2% na comparação com o real ao longo da semana, fechando os negócios de ontem a R$ 3,408. Internamente, a moeda se fortaleceu com a sinalização do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, de que o País possui força para conter a volatilidade da taxa de câmbio.

Em relação ao clima, a Somar Meteorologia informa que continua a incidência de chuvas mais significativas nas áreas produtoras de conilon do Espírito Santo. Já nas regiões de arábica, em especial o norte do Paraná e parte do Sudeste brasileiro, o ar seco impede a formação de nuvens de chuva, mas uma frente fria situada no Uruguai pode avançar nos próximos dias e, trazendo áreas de instabilidade, deverá provocar precipitações entre a Região Sul, São Paulo e parte de Minas Gerais.

A Somar prevê, ainda, que, nos próximos cinco dias, os maiores acumulados ocorrerão na faixa entre o norte paulista, Mogiana, sul e Triângulo Mineiro, atingindo até 70 milímetros, mesmo volume previsto para Rondônia. O norte do Paraná, por sua vez, deverá receber o volume máximo de 15 mm de precipitação.

No mercado interno, o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) cita que os negócios permanecem travados em meio à retração dos agentes. Os indicadores calculados pela instituição para as variedades arábica e conilon foram cotados a R$ 433,34/saca e a R$ 319,35/saca, com variações de 1,2% e 0,9% respectivamente.

Atenciosamente,

Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo

NY - ICE US (US$ cents / lb-peso)
Contrato 23/04/18 24/04/18 Dif.
Mai/18 117,00 118,50 1,50
Jul/18 118,95 120,45 1,50
Set/18 121,00 122,50 1,50
ICE Europe (US$ por tonelada)
Contrato 23/04/18 24/04/18 Dif.
Mai/18 1736 1742 6,00
Jul/18 1769 1782 13,00
Set/18 1748 1759 11,00
SP - BM&FBovespa (US$/saca)
Contrato 23/04/18 24/04/18 Dif.
Set/18 147,00 148,55 1,55
Dez/18 148,30 150,25 1,95
Mar/19 153,55 155,50 1,95
CEPEA ESALQ/USP (R$ a vista)
Variedade 23/04/18 24/04/18 Dif.
Arábica 6 432,81 437,75 4,94
Robusta 6 324,83 326,37 1,54
Dólar Comercial
US$ 1 23/04/18 24/04/18 Dif.
R$ 3,4528 3,4693 0,02
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101
Brasília (DF) - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: presidente@cncafe.com.br
CNC - Representação São Paulo (SP)
R. Treze de Maio, nº1558 - 6º andar
Bela vista, São Paulo (SP) - CEP: 01327-002
Fone: (11) 3284-6800 / Fax: (11) 3287-4600
E-mail: presidente@cncafe.com.br

Desenvolvido por Solute