Consenho Nacional do Café
22.05 - BSCA realiza curso de Processamento de Café CQI no Brasil 22.05 - Minasul: Expocafé 2018 supera expectativas 21.05 - Minasul comemora dia "D" para o fechamento de negócios na Expocafé 18.05 - Semana: CNC coordena seminário sobre estatísticas do café 11.05 - CNC - Balanço Semanal de 07 a 11/05/2018 10.05 - Encontro no Cerrado Mineiro foca em produção diante das mudanças climáticas 09.05 - ´Vivendo café e gerando valor compartilhado´ é o tema dos 25 anos da Expocaccer 09.05 - Café especial: Brasil se consolida como fornecedor de qualidade no mercado dos EUA 09.05 - Dados oficiais de café devem ser levados mais a sério, diz superintendente da Cooxupé 04.05 - CNC - Balanço Semanal de 30/04 a 04/05/2018 27.04 - Semana: CNC anuncia segunda edição do Prêmio Café Brasil de Jornalismo 20.04 - CNC - Balanço Semanal de 16 a 20/04/2018 18.04 - Negócios, palestras e seletiva de barismo. Veja destaques do 1º dia do Simcafé 18.04 - Encontro debate produção de café diante de mudança climática no Cerrado Mineiro 17.04 - Café especial: ações internacionais em março devem gerar US$ 13,4 milhões 17.04 - Cooxupé analisa cafeicultura com otimismo para 2018 10.04 - 10º Simcafé promete muita informação e novidades a partir desta terça 17.04 - Cooperado da Expocaccer vence 27º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável do Café 13.04 - COMUNICADO: Fórum Mundial de Produtores de Café se tornará uma Organização 13.04 - Semana: CNC defende sustentabilidade econômica nas reuniões da OIC
Notícias - Café na Mídia

Copom reduz juro básico para 6,75% ao ano, menor taxa desde 1986
G1 Economia
08/02/2018

Yvna Sousa, TV Globo, Brasília

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou nesta quarta-feira (7) a redução da taxa básica de juros da economia, que passou de 7% para 6,75% ao ano. A decisão já era esperada pelo mercado.

Este foi o 11º corte consecutivo na Selic, que alcançou o menor patamar já registrado desde o início do regime de metas de inflação, em 1999. Também é a menor taxa de juros de toda a série histórica do BC, iniciada em 1986.

Os principais bancos do país anunciaram uma nova redução das taxas de juros cobradas no crédito para pessoas físicas e empresas. Os comunicados de Bradesco, Itaú, Banco do Brasil e Santander foram divulgados à imprensa minutos após a decisão do Copom.

Fim do ciclo de cortes
No documento em que comunica a decisão, o Copom informou que, dado o cenário atual, o mais adequado é encerrar o ciclo de redução da Selic.

"Para a próxima reunião, caso o cenário básico evolua conforme esperado, o Comitê vê, neste momento, como mais adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária", diz o comunicado. A próxima reunião do Copom será em 21 de março.

Entretanto, o comitê ressalvou que possíveis mudanças no cenário econômico até esta data podem levar a um novo corte dos juros.

"Essa visão para a próxima reunião pode se alterar e levar a uma flexibilização monetária moderada adicional, caso haja mudanças na evolução do cenário básico e do balanço de riscos. O Copom ressalta que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação", diz o texto.

Reforma da Previdência
Entre os fatores que serão levados em consideração pelo Copom para tomar a decisão sobre um novo corte nos juros está "a continuidade das reformas e ajustes econômicos necessários na economia brasileira", como a reforma da Previdência, que pode ter efeito negativo para a inflação.

"O Comitê enfatiza que o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira contribui para a queda da sua taxa de juros estrutural”, diz o texto.

Outro fator é o mercado internacional, que tem passado por um período de volatilidade. O Copom afirmou que, por ora, "o cenário externo tem se mostrado favorável" para o controle da inflação brasileira.

"Isso tem contribuído até o momento para manter o apetite ao risco em relação a economias emergentes, apesar da volatilidade recente das condições financeiras nas economias avançadas”, diz.

No entanto, o documento ressalta que "o risco [para a inflação] se intensifica no caso de reversão do corrente cenário externo favorável para economias emergentes".

Pouco depois do anúncio do BC, o presidente Michel Temer usou sua conta no Twitter para comemorar a decisão. De acordo com ele, a redução dos juros é um incentivo para investimentos e para a geração de empregos no país.

NY - ICE US (US$ cents / lb-peso)
Contrato 23/05/18 24/05/18 Dif.
Jul/18 119,35 120,55 1,20
Set/18 121,65 122,80 1,15
Dez/18 125,20 126,35 1,15
ICE Europe (US$ por tonelada)
Contrato 23/05/18 24/05/18 Dif.
Mai/18 1726 1730 4,00
Jul/18 1751 1755 4,00
Set/18 1741 1744 3,00
SP - BM&FBovespa (US$/saca)
Contrato 23/05/18 24/05/18 Dif.
Set/18 144,45 145,95 1,50
Dez/18 147,95 149,50 1,55
Mar/19 154,40 156,00 1,60
CEPEA ESALQ/USP (R$ a vista)
Variedade 22/05/18 23/05/18 Dif.
Arábica 6 455,47 451,98 - 3,49
Robusta 6 336,60 331,38 - 5,22
Dólar Comercial
US$ 1 22/05/18 23/05/18 Dif.
R$ 3,6447 3,6251 - 0,02
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101
Brasília (DF) - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: presidente@cncafe.com.br
CNC - Representação São Paulo (SP)
R. Treze de Maio, nº1558 - 6º andar
Bela vista, São Paulo (SP) - CEP: 01327-002
Fone: (11) 3284-6800 / Fax: (11) 3287-4600
E-mail: presidente@cncafe.com.br

Desenvolvido por Solute