Consenho Nacional do Café
23.02 - CNC - Balanço Semanal de 19 a 23/02/2018 21.02 - Cooxupé vê alta de mais de 8% na exportação de café com safra maior em 2018 21.02 - Femagri começou nesta quarta-feira em Guaxupé (MG) 21.02 - Empresa nº 1 na fabricação de tratores terá forte presença no evento na 4ª FECOM 21.02 - 4ª FECOM: Plataforma Global do Café traz soluções sustentáveis para o agronegócio 20.02 - Senar e Cooxupé assinam convênio na Femagri 20.02 - Femagri traz cultivo sustentável do café e lançamentos para melhorar qualidade 20.02 - 4ª FECOM: secador estático é atração confirmada no evento 16.02 - CNC - Balanço Semanal de 12 a 16/02/2018 09.02 - CNC - Balanço Semanal de 05 a 09/02/2018 07.02 - BSCA: Programa Destaque Brasil valoriza cafés especiais de colheita tardia 05.02 - Café: Silas Brasileiro é reeleito presidente executivo do CNC 05.02 - Mercado de cafés especiais deve crescer mais 19% este ano no Brasil, diz estudo 05.02 - ACA apresenta as novidades para a Fenicafé 2018 02.02 - Semana: Silas Brasileiro é reeleito presidente executivo do CNC 30.01 - Thiago Sabino é o campeão brasileiro de baristas em 2018 30.01 - Com a SMC, Cooxupé expande atuação no mercado de cafés especiais 29.01 - Minasul e Cocatrel realizam quarta edição da FECOM em março 29.01 - FEMAGRI 2018 quer melhorar o futuro da produção de café 29.01 - BSCA abre inscrições para primeiro curso de formação de Q-Graders
Notícias - Café na Mídia

Copom reduz juro básico para 6,75% ao ano, menor taxa desde 1986
G1 Economia
08/02/2018

Yvna Sousa, TV Globo, Brasília

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou nesta quarta-feira (7) a redução da taxa básica de juros da economia, que passou de 7% para 6,75% ao ano. A decisão já era esperada pelo mercado.

Este foi o 11º corte consecutivo na Selic, que alcançou o menor patamar já registrado desde o início do regime de metas de inflação, em 1999. Também é a menor taxa de juros de toda a série histórica do BC, iniciada em 1986.

Os principais bancos do país anunciaram uma nova redução das taxas de juros cobradas no crédito para pessoas físicas e empresas. Os comunicados de Bradesco, Itaú, Banco do Brasil e Santander foram divulgados à imprensa minutos após a decisão do Copom.

Fim do ciclo de cortes
No documento em que comunica a decisão, o Copom informou que, dado o cenário atual, o mais adequado é encerrar o ciclo de redução da Selic.

"Para a próxima reunião, caso o cenário básico evolua conforme esperado, o Comitê vê, neste momento, como mais adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária", diz o comunicado. A próxima reunião do Copom será em 21 de março.

Entretanto, o comitê ressalvou que possíveis mudanças no cenário econômico até esta data podem levar a um novo corte dos juros.

"Essa visão para a próxima reunião pode se alterar e levar a uma flexibilização monetária moderada adicional, caso haja mudanças na evolução do cenário básico e do balanço de riscos. O Copom ressalta que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação", diz o texto.

Reforma da Previdência
Entre os fatores que serão levados em consideração pelo Copom para tomar a decisão sobre um novo corte nos juros está "a continuidade das reformas e ajustes econômicos necessários na economia brasileira", como a reforma da Previdência, que pode ter efeito negativo para a inflação.

"O Comitê enfatiza que o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira contribui para a queda da sua taxa de juros estrutural”, diz o texto.

Outro fator é o mercado internacional, que tem passado por um período de volatilidade. O Copom afirmou que, por ora, "o cenário externo tem se mostrado favorável" para o controle da inflação brasileira.

"Isso tem contribuído até o momento para manter o apetite ao risco em relação a economias emergentes, apesar da volatilidade recente das condições financeiras nas economias avançadas”, diz.

No entanto, o documento ressalta que "o risco [para a inflação] se intensifica no caso de reversão do corrente cenário externo favorável para economias emergentes".

Pouco depois do anúncio do BC, o presidente Michel Temer usou sua conta no Twitter para comemorar a decisão. De acordo com ele, a redução dos juros é um incentivo para investimentos e para a geração de empregos no país.

NY - ICE US (US$ cents / lb-peso)
Contrato 22/02/18 23/02/18 Dif.
Mar/18 119,60 119,45 - 0,15
Mai/18 120,90 121,00 0,10
Jul/18 123,00 123,15 0,15
ICE Europe (US$ por tonelada)
Contrato 22/02/18 23/02/18 Dif.
Mar/18 1801 1793 - 8,00
Mai/18 1759 1751 - 8,00
Jul/18 1786 1779 - 7,00
SP - BM&FBovespa (US$/saca)
Contrato 21/02/18 22/02/18 Dif.
Mar/18 138,75 142,25 3,50
Set/18 148,70 148,75 0,05
Dez/18 151,35 153,55 2,20
CEPEA ESALQ/USP (R$ a vista)
Variedade 21/02/18 22/02/18 Dif.
Arábica 6 433,90 435,45 1,55
Robusta 6 320,77 319,83 - 0,94
Dólar Comercial
US$ 1 21/02/18 22/02/18 Dif.
R$ 3,2618 3,2486 - 0,01
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101
Brasília (DF) - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: presidente@cncafe.com.br
CNC - Representação São Paulo (SP)
R. Treze de Maio, nº1558 - 6º andar
Bela vista, São Paulo (SP) - CEP: 01327-002
Fone: (11) 3284-6800 / Fax: (11) 3287-4600
E-mail: presidente@cncafe.com.br

Desenvolvido por Solute